crisurologia@gmail.com
(11) 2151-5219 / (11) 3812-0100

Gardnerella e Infecção pelo Papilomavírus Humano


A bactéria Gardnerella encontrada no colo do útero e vagina de mulheres com infecção pelo papilomavírus humano (HPV), é um marcador de mudança e predisposição para doenças pré-malignas.

 

A infecção pelo HPV está entre as infecções sexualmente transmissíveis mais comuns e causa câncer cervical em uma pequena proporção de casos. No entanto, não se sabe por que apenas uma pequena porcentagem de casos progride para o câncer. O presente estudo foi motivado pela necessidade de entender como o microbioma cervicovaginal afeta a progressão da infecção pelo HPV para um estado pré-canceroso.

 

O microbioma cervicovaginal

 

Alguns dos fatores associados à variação no desfecho de infecções por HPV de alto risco incluem tabagismo, uso de contraceptivos orais e paridade. No entanto, a resposta imune também é essencial.

 

Além disso, o ambiente químico e microbiano do colo uterino e vagina também pode afetar a progressão da infecção pelo HPV. Em geral, o colo uterino e a vagina são caracterizados por uma abundância de Lactobacilli de determinadas espécies (Lactobacillus crispatus,  Lactobacillus iners,  Lactobacillus gasseri  ou  Lactobacillus jensenii), ou de múltiplos micróbios. O primeiro está associado a bons desfechos de saúde, menor risco para infecções sexualmente transmissíveis .

 

Muitos estudos têm demonstrado que uma flora microbiana mais diversificada está associada ao aumento de anormalidades do colo uterino, bem como maior prevalência de infecções por HPV de alto risco.

 

Os achados

 

Os pesquisadores encontraram quatro tipos diferentes de comunidades bacterianas, uma cada dominada pelas espécies bacterianas Lactobacillus iners  em 27%,  L. crispatus  em 15% das amostras e  Gardnerella vaginalis  em 17%. Em aproximadamente 41% dos casos, o microbioma foi extremamente diverso.

 

O estudo mostrou que as infecções por HPV de alto risco foram eliminadas mais rapidamente e mais completamente quando houve abundância de  lactobacillus. Por outro lado, a progressão do HPV de alto risco é marcada pelo domínio da bactéria Gardnerella vaginalis.  Aparentemente,  Gardnerella  faz com que uma infecção persistente do HPV prossiga para o pré-câncer induzindo maior diversidade do espectro bacteriano cervicovaginal. Isso pode ser induzindo a imunossupressão local, ou, alternativamente, um microambiente com um perfil bacteriano distinto. Isso é apoiado por estudos mais antigos que mostram diferenças no microambiente imunológico entre as lesões pré-cancerosas que progridem e aquelas que se claream completamente.

 

Outras espécies associadas à progressão são aquelas que estão isoladas de amostras colhidas de mulheres com vaginose bacteriana,como  Prevotella amnii  e  Anaerococcus prevotii. Cerca de 3,8% das espécies fúngicas também estiveram associadas à progressão para o pré-câncer.

 

Journal reference:

 

Usyk M, Zolnik CP, Castle PE, Porras C, Herrero R, Gradissimo A, et al. (2020). Cervicovaginal microbiome and natural history of HPV in a longitudinal study. PLoS Pathog 16(3):e1008376. https://journals.plos.org/plospathogens/article?id=10.1371/journal.ppat.1008376