0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

Atualização no tratamento do Câncer de Pênis
by:
Anthony Zietman MD

Shipley Professor of Radiation Oncology
Harvard Medical School and Massachusetts General Hospital

Editor-in-Chief
International Journal of Radiation Oncology Biology Physics

Câncer de pênis é neoplasia rara em países desen- volvidos, contrariamente ao que ocorre em regiões de baixo padrão socioeconômico. Nos Estados Unidos e na Europa, carcinoma epidermoide de pênis (CEP) representa 0,4 a 3% das neoplasias do homem, enquanto em alguns países da América do Sul e da África sua ocorrência atinge níveis muito expressivos. Na década de 1980, nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, CEP representava 16% dos tumores malignos em homens adultos e era a terceira neoplasia mais frequente do trato geniturinário, superada apenas pelos tumores de próstata e bexiga.
A prevalência desse câncer é maior na sexta dé- cada de vida, sendo pouco encontrado em jovens e raramente na infância. Estudos epidemiológicos mostram que acomete com mais frequência indiví- duos incircuncidados, portadores de fimose e com más condições de higiene e nutrição. Infecção por certos subtipos de papilomavírus humano (HPV), principalmente dos grupos 16 e 18, também tem sido implicada na gênese tumoral, o que sugere que CEP possa ser uma moléstia sexualmente transmissível.
Várias entidades clínicas consideradas benignas, como eritroplasia de Queirat, doença de Bowen, leucoplasia, condiloma gigante ou doença de Buschke-Lowenstein, estão relacionadas ao desen- volvimento de neoplasia peniana e são reconhecidas como pré-malignas.