0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

A ejaculação precoce (EP) e a disfunção erétil (DE) acometem de 20 a 30 % da população dos homens sexualmente ativos independente da faixa etária.

Na grande maioria dos pacientes a ejaculação precoce evolui para DE devido ao desconforto emocional causado juntamente com a parceira evoluindo para o constrangimento do casal em seguir nas relações sexuais culminando no total desinteresse pelo mesmo e conflitos emocionais e matrimoniais.

Diante disso, a presença da parceira nas consultas e a sua participação são mandatárias para o sucesso no tratamento. As parceiras são as que mais encaminham seus parceiros sexuais para tratamento.

A avaliação é feita fundamentalmente através de uma história detalhada sobre os sintomas e a avaliação é feita através do chamado: intravaginal ejaculatory latency time, ou seja, tempo de latência ejaculatório intravaginal, que nada mais é o tempo que o indivíduo consegue permanecer em penetração vaginal com sua parceira sem ejacular.

Os tratamentos recentes com os recaptadores de serotonina seletivos juntamente com tratamento psicoterápico especializado e por profissional gabaritado para tratar transtornos de disfunção sexual são as melhores associações.

A Dapoxetina, ou Proligy, é uma droga nova e promissora para o tratamento da EP. Utiliza-se inicialmente 30 mg de 1 a 3 horas antes da relação sexual, utilizado somente quando for ter relação sexual (sob demanda).

A eficácia de PRILIGY® no tratamento da ejaculação precoce foi estabelecida em cinco ensaios clínicos em dupla cego e controlados com placebo, nos quais foram aleatorizados um total de 6081 indivíduos. A dose inicial recomendada é de 30 mg, devendo ser tomado de 1 a 3 horas antes da relação sexual.  Leia Mais.

 

Ejaculação precoce tem nova droga para seu controle. Trata-se de Dapoxetina, um recaptador seletivo da
serotonina, e apresenta resultados surpreendentes.
Guideline PDF, Medical Management of Premature Ejaculation: Dapoxetina e ejaculação precoce

A ejaculação precoce (EP) é a queixa sexual masculina, mais comum e que podem exercer um profundo impacto negativo sobre a vida do homem e da parceria. A utilização de alternativas de tratamento atualmente disponíveis (por exemplo,inibidor de absorção seletiva da serotonina, agentes que atuam localmente sobre o pénis), PE pode ser tratado, porém nem todos os pacientes respondem bem ao tratamento. No entanto, uma vez que as taxas de sucesso a longo prazo têm sido decepcionantes, as drogas que atuam na ação seletiva de serotonina como por exemplo a dapoxetina, um inibidor de recaptação, existe atualmente uma necessidade e uma intensa busca por novas modalidades de tratamento.
Guideline PDF: Therapeutic targets for premature ejaculation