0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

Muitos homens que passam pela cirurgia de vasectomia podem, por motivos diversos, pensar na reversão da mesma. A grande questão que eles têm é se é possível voltar a ter filhos. As técnicas atuais de reversão da vasectomia podem sim reverter a condição de azoospermia dos homens vasectomizados. A cirurgia para possibilitar essa reversão é especializada, consiste na anastomose (ligação) dos canais deferentes obstruídos, e é uma cirurgia um pouco mais complexa do que a própria vasectomia. Muitas vezes o resultado pode não ser o esperado, porém há altas chances de sucesso, mesmo em homens já vasectomizados há 20 anos.

A procura pela reversão é maior do que se imagina. Vários fatores podem fazer o indivíduo mudar de idéia quanto à sua infertilidade. Mudança nos padrões de vida podem modificar o planejamento familiar, a perda de um filho ou um novo casamento podem acontecer na vida de qualquer um, e portanto uma cirurgia de reversão de vasectomia pode ser a solução para a pessoa que realizou a vasectomia numa outra época, onde a decisão parecia ser a mais sensata.

A cirurgia é realizada com a mesma preparação da vasectomia. Não há necessidade de regime especial, apenas a raspagem dos pelos da região. Sob anestesia local, é feita uma abertura e exteriorização dos dutos. Realiza-se um corte em cada uma das duas pontas cortadas na vasectomia, e faz-se então a sutura do duto. A operação é rápida, dura menos de 3 horas e o paciente volta para casa utilizando-se de analgésicos. O pós-operatório também é similar, repousando e evitando relaxões sexuais pelo período estipulado pelo médico. Bolsas de gelo são indicadas para o tratamento. Após alguns meses, é realizado o espermograma para verificar o sucesso da cirurgia.

Para realizar essa cirurgia o ideal é procurar um médico especializado, com experiência no assunto e que possa tirar todas as dúvidas referentes ao processo, tal como riscos e taxas de sucesso. Nenhuma cirurgia, por mais simples que seja, deve ser realizada por uma pessoa que não esteja preparada ou que não tenha feito os estudos necessários para a especialização. Um médico experiente pode fazer a diferença nas taxas de sucesso.