0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

Apresentação de minha tese (TCC) no Congresso de Urologia em Fortaleza em Agosto de 2017 , após término do programa MBA Executivo em Gestão de Saúde Einstein – Insper;  programa de pós-graduação lato sensu voltado à formação de profissionais do setor de saúde, o Certificate in Healthcare Management – CHM  também em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein.

Os programas de Gestão de Saúde do Insper têm como objetivo desenvolver competências de gestão do setor de saúde.

ECONOMIA EM SAUDE

0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

1. Tratamento causa câncer de próstata

Uma das maiores preocupações dos homens que se submetem à reposição hormonal masculina é se os tratamentos com testosterona aumentam o risco de câncer de próstata.

De acordo com um artigo publicado em 2004 no New England Journal of Medicine, a testosterona não causa câncer de próstata. Porém, os homens precisam estar em constante monitoramento, já que o hormônio é capaz de estimular o crescimento de um câncer que esteja escondido.

2. Diminuição de hormônio masculino é o fim da fertilidade

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBEM), trata-se de um mito. Ao contrário do que acontece com as mulheres na menopausa, um declínio nos níveis de testosterona não significa que o homem ficará infértil.

3. Apenas com a reposição hormonal é possível resolver o problema

Conforme a SBEM, existem diversas alternativas que retardam e impedem o declínio nos níveis de testosterona. Se você quer alcançar esse objetivo, não fume, alimente-se corretamente e pratique atividades físicas regulares.

0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

A aula ministrada pelo Dr. Morgentaler, Professor de Harvard e reconhecido internacionalmente por sua experiência na saúde do homem, principalmente relacionada:

À deficiência de testosterona:

  • quem é candidato à reposição de testosterona?
  • hipogonadismo e obesidade
  • segurança cardiovascular
  • testosterona e câncer de próstata
0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

URETERRENOSCOPIA FLEXÍVEL COMO GUIA PARA CIRURGIA PERCUTÂNEA DOS RINS – novidade tecnológica

Ureterorrenoscopia flexível foi realizada para determinar o cálice renal ideal para acesso. Um sensor eletromagnético foi introduzido através do canal de trabalho. Então o cálice selecionado foi perfurado com uma agulha com um sensor na ponta guiado por imagens tridimensionais em tempo real observadas no monitor.

Video

0
0
0
0
0
0
0
0
0
ou copiar este link

De tempos em tempos, o mundo experimenta desafios relacionados com a saúde humana.

Muitos destes problemas afetam primeiro pequenas populações em regiões localizadas do planeta.

Dependendo das características do problema, a situação pode se espalhar por todo o mundo.

Isto é especialmente verdadeiro no século atual com a grande frequência e velocidade de circulação de pessoas e de cargas que podem transportar, sem querer, mas de forma eficaz, agentes vetores e/ou causadores de doenças infecciosas.

É evidente que no momento da chegada em uma nova região do planeta, os vetores necessitam de condições favoráveis para permanecerem viáveis para novas infecções.

A questão da redução da propagação de uma doença infecciosa emergente é agravada quando, além da velocidade de expansão geográfica descrito acima, existe uma falta de conhecimento por parte da comunidade científica em relação aos aspectos da transmissão, fisiopatologia, diagnóstico e tratamento. 

Leia mais Zika Vírus em Inglês: PDF: Zika Vírus Infection in Semen